Translate

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Gaiola

Se quiser me prender
em sua gaiola perfeita
sou pássaro de todo mundo
e nunca estou satisfeita.
Se quiser me prender
em sua gaiola de abraço
logo faço um ninho
e no seu peito me enlaço.
Mas quando quiser voar
não me prenda em suas mãos
que vou mas eu volto
para sua mansidão.
Não me cegue, amor meu,
para assim eu cantar mais
seria triste esse canto fariseu
e nem de longe lembraria
aqueles cantos frugais.
Deixe que eu te procure...
só mantenha a porta aberta,
me beije devagar e jure
ser minha melhor descoberta.





sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Depois

Me manda sua foto depois?
Coisa de se recordar
Quero lembrar de nós dois...
do tempo que sabia amar...
O sabiá cantava bem cedo,
junto com seu despertar
O cheiro da grama verdinha
gostosa de se pisar...
Esperava sua notícia,
ouvia o grilo grilar,
tomava café bem quentinho,
ensaiava a alegria chegar...
Me manda sua foto depois?
Preciso respirar
De que me vale pois
viver sem você chegar?
Não ouço mais nenhum pássaro
nem posso o jardim pisar.
Nem grilo, nem cheiro da grama...
mais nada a esperar.
Sem café com alegria,
sem calor pra aconchegar...
Só me restam reticências
e sua foto pra olhar...





terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Crisol

Quero o aconchego do seu abraço
um carinho pela manhã
trilhar sobre seu traço
me vestir do seu afã.

Quero ser sua moradia
poder te dar bem mais que eu
ser um pouco de alegria
uma jóia, um camafeu.

Quero estar no seu crisol
e você ser meu artífice.
De sua música, o bemol.
De sua igreja, o pontífice.


domingo, 2 de novembro de 2014

Hibisco

Flor madura como o hibisco
mistura de outra matéria
Senhora de grande aprisco
é minha amiga Valéria.

Sim, em você há o risco
de se deixar confundir...
Sim, por você eu rabisco
palavras que não sei parir...
Sim, com você eu confisco
risos que deixei de sorrir...

Obrigada por florir no meu caminho!

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Resta-me

Já não há pressa correndo nas veias
mergulho no abismo profundo sem fim
Sinto que o hoje é um grande infinito
e que o eterno habita em mim.
Há uma presença escondida em minha sombra
lembro do gosto feliz de te amar
Ouço ecos de meu próprio silêncio
vejo seu riso devagar se apagar...
Resta-me partes de mim sem você
resta-me a vida a fragmentar.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Crisálida

Veio você de forma cálida
queimando meus lençóis
me fez sentir um tanto pálida
como os atuais heróis
olhei no espelho, me vi inválida
presa em tantos anzóis
feia, suja, magra, esquálida
apagada entre faróis
quase voando, uma crisálida
buscando alguns girassóis.


sábado, 27 de setembro de 2014

Acontece

A prova do novo se deu
momento do velho laço
ninguém nada prometeu
só deu certo o compasso
Bom quando a pele reconhece
o que na outra pele falta
e não é porque merece
nem tampouco se oferece
O entorno é ribalta,
o desejo prevalece,
o tempo sobressalta
e o beijo entontece...
A respiração falta
e então acontece.



sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Palavras

Palavras que exprimem
espremem sentimentos
Palavras que falam
ou calam momentos.
Palavras que partem
e voltam ou não
Palavras que moram
na minha emoção.
Palavras que emergem
da boca que quero
Palavras que dão
sentido sincero.
Palavras que faltam
nas vezes que sumo
Palavras que sobram
quando me consumo.
Palavras são beijos
na boca que amo
Palavras são sonhos
caindo do ramo...


domingo, 3 de agosto de 2014

Afinal

Tenho buscado em outras fontes
afinal não tenho mais você
subi pra isso em altos montes
tentando não mais te ver
Inútil esconder mentiras
quando o coração cala verdades
Como crise de ausência na alma
como grito de socorro que acalma
como fuga de um mundo morno
como perder o próprio retorno.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Finitude

Me dei conta da finitude de coisas que sonhava eternas e de que certas durezas escondem solos férteis de medos confusos.
Me dei conta de que as lágrimas que sempre julguei me faltarem hoje por já tê-las derramado nas desilusões e tristezas dos primeiros amores, podem simplesmente estar sendo guardadas para irrigar sentimentos maiores e mais maduros em um futuro incerto.
Me dei conta de que amadurecer dói e a maior dor é aquela que está fora do seu corpo por não haver como controlá-la.
As marcas do muito pensar escavam rugas em minha face.
Buscas em gavetas esquecidas trazem diferentes sentimentos como o alento da inocência perdida e a decepção das verdades encontradas. Em algumas há sangue seco lembrando que as feridas cicatrizadas no correr do relógio já foram profundas... mas se curam...

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Maria Clara

Esperar-te anuncia o gozo
do conhecer-te pela manhã.
Manhã linda, azul, temperada...
Ansiedade fria,
temperatura morna,
emoções quentes...
Encontrar teus olhos emociona,
proclama um compromisso eterno.
Coração que se divide
amor que multiplica
mãos que se somam
palavras que subtraem
por não se fazerem necessárias.
Bem vinda ao mundo,
à minha vida.
Bendita sejas ao entrar e ao sair.
Bem aventurada sejas, Maria Clara.




quarta-feira, 16 de abril de 2014

Te amo para sempre

Minha mente nega
minha boca clama
meus olhos choram
minha pele sua
meus ouvidos pedem
meus passos cessam
meu coração acelera
meu sangue gela
meu ar falta
nada faz sentido
te amo para sempre.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Flor de pedra

Por que mostrar cores
se por dentro é cinza?
Por que me causar rubores,
despertar amores?
Me deixe ir simplesmente
Não se importe com minhas dores...
Bato no peito sem convicção
abro a porta mas não saio
Espero que mude
(você ou eu)
Espero que lute
(me prometeu!)
Espero que viva
que sinta
que seja
todo meu.
 
 


domingo, 9 de março de 2014

Modo de amar

Quero te amar na terceira pessoa
uma forma mais impessoal
tirar o peso do compromisso
e o viés do imortal.

Quero te amar com beijo na boca
criar um vínculo labial
marcar minha alma com a sua
selar num leve ritual.

Quero te amar de todas as maneiras
ser sua de todo radical
sem contudo usar algemas
ser profunda e superficial.

Quero te amar em uma letra de música
um suave som natural
alcançar a nota mais pura
trincar seu nobre cristal.


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Perfume

Ao bailar em notas de suspiros
admiro sombras que se abraçam
me visto com seu perfume preferido
e arrepio.
Cada rodopio que traçamos
vivifica sonhos em mim
eleva meus pés e alma
e sorrio.
Cambaleante canto notas incompletas
esperando tempos sem fim.
Leio possibilidades.
Gotejo sentimentos.
Voo enfim.
 
 

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Dia bom

Dia bom para ser livre
Dia bom para sonhar
Dia de ganhar sorrisos
Dia de aconchegar.
Viver é bem mais que ofício
muito mais que planejar
É curtir os pés na areia,
uma manga saborear...
Olhar para o que está perto
Tocar, ouvir, cheirar......
Fazer parte do universo
sem querer predominar.
Sentir prazer com as flores.
Mergulhar nas águas do mar.
Pra mim isso que é vida
e me faz querer acordar...

domingo, 26 de janeiro de 2014

Descoberta

Descobri que amor não morre
hoje no instante em que te vi
que cada lágrima que não escorre
inunda minha vida sem ti.

Triste descoberta que me assusta
pois pensara já ter te esquecido
e sigo uma vida injusta
com o coração aquecido.

Terei você sempre comigo
nos sonhos que tenho a noite
Será sempre meu abrigo,
meu amor, alegria e açoite.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Inspiração do Almoço

Sozinha nesta cidade já há alguns dias, tenho procurado almoçar em lugares diferentes. Apenas por capricho.
Hoje escolhi um pequeno e aconchegante restaurante no centro da cidade. Após checar com os olhos as condições higiênicas locais, servi um prato quase ecologicamente correto. Arroz, batatas coradas e muita salada contrapunham o filé de peito de frango grelhado que por sua vez, trazia a lembrança os meus amigos vegans. Oro por eles.
Sabor agradável, temperatura idem (o restaurante de ontem servia comidas totalmente fora dos padrões aceitáveis de temperatura). Deliciei-me neste que tem sido o melhor momento dos meus dias por estas terras montesclarenses: o almoço.
E teria terminado bem, não fosse a pergunta que fez com que uma onda de adrenalina lavasse meu sangue. "Aceita sobremesa?" disse a garçonete com uma voz tão doce quanto o pudim de leite condensado que veio ironicamente oferecer. Posso jurar que havia traço de sarcasmo no cantinho do sorriso dela. Como não sou de levar desaforo pra casa, aceitei!
Foi então que percebi algo diferente no meu sistema digestório. Tudo o mais que havia deglutido até então, inclusive o suco de laranja que me acompanhou, seguiu o percurso natural da digestão. Mas aquele pudim (sim, eu tenho certeza!) ao descer pelo esôfago, pegava um atalho e se alojava imediatamente na região da cintura e abdômen. Era possível sentir aqueles pedaços de prazer se transformar em mais um centímetro de circunferência.
Naquele momento veio a minha mente cada uma das sessões de carboxiterapia e corrente russa. Agora entendo o porque da dor... Aquelas agulhas tinham que purgar algo.
Finalmente, está findo o desafio. Suores discretos brotando na fronte denunciavam a batalha travada. Creio que o saldo foi positivo.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Adolescendo

Dos muitos lugares que habito
há um que me satisfaz
De um sol infinito
trás de volta minha paz
Memórias ainda em brasas
tanto amor e descobertas
Mostrou que tenho asas
manteve sua porta aberta
Me alimenta de tempo e dor
me dá alegria e cor
mesmo longe sinto seu calor
Em você sou plena, amena
Meu eterno e primeiro amor.